É só lembrar que o amor é bem maior

Gostar de Anitta me traz sentimentos controversos. Eu me sinto julgada quando admito que a adoro, depois fico triste ao perceber o quanto as pessoas se sentem superiores por odiarem uma mulher (principalmente quando esse ódio vem de outras mulheres). Então, num súbito, eu é que me sinto superior aos outros por ser capaz de oferecer amor a alguém cujas atitudes eu nem sempre concordo. Gostar da Anitta faz eu me sentir livre pra errar, porque é no erro que a gente mais se conecta. Eu ri quando ela xingou uma pessoa de “pobre” em 2013, eu senti vergonha junto com ela na discussão com a Pitty (sei lá, 2015?), eu também tenho foto com bolsominions, eu já fui muito idiota,

Continue lendo “É só lembrar que o amor é bem maior”

Layout clássico sempre

Aos nove anos, um dos meus passatempos favoritos era assistir a As Meninas Superpoderosas na televisão. Se me perguntassem naquela época, eu não saberia exatamente o motivo principal, já que não parava muito para pensar a respeito. Talvez indicasse as fofas personagens, a história, as cores e a ideia fixa de que tudo ficaria bem no final, porque mais uma vez o mundo seria salvo por elas. Pensando bem, era isso mesmo… Só que tinha mais por trás.

Continue lendo “Layout clássico sempre”