Essa alma necessita de ilusão

Foi tanta coisa que eu nem sei mais por onde começar. Vamos assim mesmo. Teve toda o nervosismo e a ansiedade que permeiam um aniversário. Meu aniversário. Teve o “não vou fazer nada não é uma data especial” e de repente eu estava reservando um lugar só pra mim e meus mais de 60 convidados. E foi mó galera. Aliás, um lugar não: o lugar.  Teve um final de semana gostoso com direito a rodízio japonês vegano, visita da melhor amiga que não via há mais de ano, brunch delícia, feira de coisas bonitas e amor e pessoas do amor. Depois teve o aniversário do mozão com cerveja boa e poucos e bons.

Continue lendo “Essa alma necessita de ilusão”

Deixa eu dizer que te amo

Continue lendo “Deixa eu dizer que te amo”

Seja romântica, não seja Julieta

Por que nunca estamos plenamente satisfeitos com o que temos? A inquietude é saudável até certo ponto, afinal, ter objetivos e vontades é o que nos move. Mas o que fazer quando estamos constantemente nos questionando se o que temos é realmente o melhor que podemos ter? E por que aquilo que não temos só parece melhor até o momento em que passamos a tê-lo? Como aquela bolsa Prada que eu nunca comprei. Será que na minha casa, dentro do meu guarda-roupa modesto, que não é um closet gigante dos sonhos, aquela bolsa seria tão linda, vermelha e brilhante? Provavelmente sim. A quem estou enganando, eu quero aquela bolsa agora.

Continue lendo “Seja romântica, não seja Julieta”